Dificuldade de aprendizagem em algumas matérias é normal?

Dificuldade de aprendizagem em algumas matérias é normal?

Criado por Colégio Ideia | agosto 18, 2016 | Ensino Fundamental, Ensino Médio, Reflexão
Dificuldade de Aprendizagem

Se você tem filhos adolescentes ou se você é adolescente, esse assunto lhe interessa.

Será que é normal, nessa fase, os adolescentes apresentarem dificuldades com algumas matérias na escola? Como os pais podem ajudar? O que devem fazer em relação a isso?

Antes de tudo, esteja tranquilo(a): você não está sozinho(a)!

A fase adolescente da vida, em razão das inúmeras mudanças envolvidas, é uma etapa de crise. São modificações no corpo, na mente e nas relações sociais pelas quais passa o jovem. E a aprendizagem, nesse período, também não escapa dessas transformações.

Uma das situações que mais comumente aparecem é a dificuldade no acompanhamento de algumas disciplinas na escola. Nesses casos, em geral, a Matemática costuma ser a campeã.

 

Como tudo começa

A adolescência é um período de transição: sair da infância em direção à vida adulta. Seu filho vive um momento de perda de tudo aquilo que deve deixar para trás (a identidade e o corpo infantil, seu papel de criança na família etc.). Ele está mudando!

Não é raro que esses sentimentos de perda produzam no menino ou na menina abalos emocionais e enfraquecimento de sua autoestima. O adolescente é muito suscetível nesse aspecto.

Existe, também, aí uma situação contraditória: seu filho, ao mesmo tempo em que precisa de um adulto que lhe sirva de referência, apresenta também a necessidade de construir uma identidade própria. É o momento da descoberta e de encontrar onde ele se encaixa no mundo.

Nessa fase, a ocorrência da chamada “dificuldade de aprendizagem específica” (em Matemática, por exemplo) pode ser considerada um processo comum. É normal e pode ser o resultado de transformações cerebrais que ocorrem no corpo humano nessa idade. Porém, deve ser observada.

problema matemático

O que dizem os estudos científicos?

Há poucos anos atrás, por exemplo, pesquisadores da University College London, na Inglaterra, concluíram que o grande volume de massa cinzenta no cérebro dos adolescentes é responsável por sua dificuldade de concentração. Não se trata, necessariamente, da existência de um distúrbio que impede o aprendizado do seu filho. Mas dificulta.

Você também deve gostar deste artigo:

Aprendizagem: Como se dá este processo

Ao mesmo tempo, essa dificuldade pode refletir também situações específicas de suas relações com a família, com a escola e com a comunidade. Cada um desses meios exerce certa influência sobre ele.

Não se pode esquecer que o adolescente é um produto direto do seu meio. Seu filho não está sozinho. Experiências negativas com aqueles três segmentos da vida do adolescente podem gerar conflitos emocionais que resultarão em dificuldade escolar.

No entanto, você deve estar atenta para o modo como essa dificuldade específica está sendo conduzida pela família e pela escola. Como seu filho é tratado a partir da constatação de que existe uma dificuldade com determinada matéria estudada na escola. A consciência que o próprio adolescente tem de sua dificuldade pode diminuir ainda mais sua autoestima.

É importante, também, o relacionamento que o adolescente tem com os colegas da escola. A manifestação desses com chacotas e brincadeiras chamando-o de “burro” tendem a piorar as dificuldades. E pode acabar provocando seu isolamento.

Havendo dificuldade de relacionamento com os colegas o ciclo se aprofunda. Nessa situação, mais suscetível fica o adolescente às dificuldades na aprendizagem, reforçando o problema.

dificuldade-de-aprendisagem

O que os pais podem fazer?

A família direta – o pai, a mãe e os irmãos (ou familiares que convivem com o adolescente) – afetam significativamente a vida do adolescente. Um adequado envolvimento com a vida escolar de seu filho auxilia o próprio adolescente a melhor se envolver também.

Além disso, essa participação da família (às vezes é só a mãe que é mais atuante) resgata a autoestima e ajuda a revigorar o aprendizado. Na verdade, a sua presença proativa é parte contundente da solução. Assim, existem algumas medidas que você pode tomar:

  • Participar do universo escolar de seu filho: os pais devem conversar com o filho sobre as atividades da escola mostrando interesse pelo dia a dia; devem acompanhar as tarefas de casa e os trabalhos (sua ajuda na elaboração de um trabalho escolar junto com seu filho pode ser uma experiência inesquecível para ambos);
  • Orientar quanto ao espaço e à organização do tempo para os estudos;
  • Estimular o desenvolvimento de regras do próprio adolescente para seus estudos;
  • Estimular a leitura: uma boa dica é lerem o mesmo livro indicado pela escola e irem conversando sobre ele ao longo dos dias;
  • Valorizar as manifestações do filho referentes à escola;
  • Manter contato com a escola e levar as observações da família para o professor;
  • Verificar, junto com a escola, como se dão as relações com os colegas.

Embora a dinâmica da adolescência seja um turbilhão natural de mudanças, para os pais que acompanham os filhos deve ser uma fase que requer observação.

Quando você observar que a realidade aponta para determinadas dificuldades que seu filho está enfrentando, é hora de discutir esse fato com a escola. Juntos, família e escola podem detectar quando houver a necessidade de se buscar ajuda externa.

Achou este artigo útil? Compartilhe e ajude outras pessoas a entender esse processo também!

família de sucesso

Adicionar um comentário

Posts Relacionados

Criado por beatriz-rosentina | 24 setembro 2019
Atualmente fica muito difícil falar em educação sem falar em tecnologia né? Pensando nisso o Colégio Ideia tem como mais novo parceiro o SAE, Sistema de Apoio ao Ensino. Essa…
Criado por beatriz-rosentina | 20 setembro 2019
Imagine um sistema que tem mais de 865 aprovações em medicina em apenas um ano. Surpreendente né? Pois é, esse o Sistema Farias Brito de Ensino (SFB). Referência nacional de…
A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL
Criado por alisson | 22 novembro 2018
João, de 4 anos, está acostumado a ter tudo de imediato, parece autoconfiante, às vezes quase arrogante, diante de uma pequena frustração, um "não", continua gritando, chora, puxa objetos e…