Problemas de comunicação entre pais e filhos

Problemas de comunicação entre pais e filhos

Problemas de comunicação entre pais e filhos

Entrar na adolescência nem sempre é tranquilo; presenciamos numerosas mudanças nos filhos que, deixam de ser crianças com necessidade de proteção, e começam a crescer e a tornar-se independentes. Muitas vezes é difícil para os pais aceitar essa mudança, entender que é necessário, de todas as formas, favorecer a autonomia, permitir que tomem decisões por conta própria, monitorá-la, mas sem controlá-la de maneira sufocante.

As crianças levantam a bandeira dos direitos que buscam obter e reforçar através de discussões, conflitos e rebeliões contra a autoridade dos pais.

Nos últimos anos, eles estão cada vez mais focados em amigos, passeios, namorados e os pais devem aceitar que não está mais em primeiro lugar.

Para se identificar como adulto, o adolescente provavelmente vai afastar-se das figuras parentais e, para fazer esse processo, deve questionar os modelos educativos, rebelar-se contra as regras, opor-se ao mundo adulto e à autoridade. Desta forma, os mal-entendidos, as discussões, a contínua “luta de braço” entre duas gerações agora muito distantes pelo o tempo e o espaço inevitavelmente chegam.

Atenção !!! O relacionamento pais-filho, tem uma importância fundamental na fase de desenvolvimento, condições de crescimento, modelos, personalidade, em poucas palavras, na formação da criança. Por essa razão, é essencial entender como é importante estabelecer uma comunicação eficaz com a criança.

Quais são os problemas mais comuns?

Os problemas mais comuns encontrados na família são de COMUNICAÇÃO.

Nos últimos anos estamos assistindo a uma crise total de diálogo, já não conversamos em casa, agora até a velha geração adaptou-se à forma cada vez mais sintética e tecnológica de se comunicar com a nova geração dos nativos digitais. Os pais se empenham em aprender como as redes sociais funcionam, aplicativos de mensagens instantâneas e se tornam mais e mais conhecedores de tecnologias para entender os hábitos e amizades da criança.

Certo dia, um pai telefonou para o filho e, mesmo sem um clássico “oi”, iniciou a conversa automaticamente “onde você está” e “com quem”. Isso é tão comum, não é?

Hoje os tempos mudaram, os pais estão se adaptando, eles mandam uma mensagem legal para o filho pedindo que ele lhe envie a localização e a foto dos amigos que ele está ou onde ele está.

É fácil entender que o diálogo com esses adolescentes digitais é bastante ausente.

 

O que está faltando para esses adolescentes?

Este mundo hiper-tecnológico é baseado na velocidade e no imediatismo, vivemos apressadamente, não ouvimos mais e não sabemos mais como escutar. Devemos começar ouvindo, dedicar tempo ao relacionamento com os filhos.

Os adolescentes precisam ser aceitos pelo que são e serem reconhecidos no modo de ser e de se expressar, então precisamos:

– prestar atenção ao que eles dizem, mesmo quando você tem dificuldade em entender as motivações de certos comportamentos que você não concorda;

– mostrar interesse nas opiniões da criança, porque mesmo que seja mais jovem e tenha muito a aprender, ele tem ideias, tem um pensamento e é certo que ele o expresse e seja ouvido.

O maior erro que os pais cometem é diminuir os problemas da criança só porque ela é pequena, transmitindo a ela que seus problemas são menos difíceis do que os do adulto. Muitas vezes acontece que a criança tenta falar com o pai que, em vez de ouvi-lo, imediatamente lhe dá respostas e conselhos. Dessa forma, ele se sente incompreendido e simplesmente porque não quer conselhos, críticas ou mesmo julgamentos sobre seu comportamento, mas somente ser escutada.

Um exemplo que muitas vezes acontece é quando o adolescente faz um drama por causa de uma briga com os amigos ou porque brigou com o namorado e grita, fica com raiva, não come e chora. Em seguida, o pai que acha que a reação exagerada, quando o filho tenta falar com ele, ao invés de compreender o seu estado de espírito e como é importante para ele essa situação, imediatamente tenta tranquilizá-lo, dizendo-lhe que quando crescer vai entender e vai rir de tudo isso, porque está dando muita importância a situações temporárias.

Esta é uma maneira comum de bloquear a comunicação com a criança que apenas queria conversar e ter atenção.

NUNCA esqueça que o problema é dado pela experiência subjetiva, NÃO pelo fato do problema em si.

Adicionar um comentário

Posts Relacionados

Como preparar os filhos para começar o 6º ano escolar
Criado por alisson | 04 dezembro 2018
Mudar da escola primária para a secundária, ou ensino médio, é uma grande transição. Pode ser um momento cheio de diversão, entusiasmo e novas experiências, mas também pode ser desafiador…
Como preparar seu filho para a Escola primária
Criado por alisson | 28 novembro 2018
Durante o último ano da pré-escola as crianças começam a se preparar para viver o ensino fundamental.  Essa transição é tão importante que comumente é feito uma festa de formatura…
A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL
Criado por alisson | 22 novembro 2018
João, de 4 anos, está acostumado a ter tudo de imediato, parece autoconfiante, às vezes quase arrogante, diante de uma pequena frustração, um "não", continua gritando, chora, puxa objetos e…